quinta-feira, outubro 02, 2008

Ser do contra

Quando eu fiz Psicologia na PUC (calma, não me formei, foram só dois anos e meio até eu perceber que não poderia ter um "paciente"), tinha uma matéria com o pomposo nome de Problemas Filosóficos e Teológicos do Homem Contemporâneo, mais conhecida como PFTHC. Ela queria ensinar a gente, um bando de meninas em torno dos 18 anos (eu ainda tinha 17) a ter uma tal de "consciência crítica da realidade". Eu já tinha estudado no Equipe, então já tinha uma idéia sobre isso. Mas na PUC a coisa foi reforçada. Basicamente, essa disciplina me ensinou a não aceitar as coisas sem questionar. Acho que todas as faculdades deveriam ter uma disciplina como esssa no primeiro ano.
Mas toda essa introdução nostálgica (nariz de cera) foi pra falar sobre o protesto que os cegos estão fazendo contra o filme do Fernando Meirelles "Ensaio sobre a Cegueira". Querem até fazer boicote ao filme!! Fiquei indignada com isso. Não vou falar o que pensei, porque é um pouco cruel. Mas a questão é que o filme é maravilhoso e de maneira nenhuma coloca os "cegos" como "monstros", conforme alegam os que protestam. Existe gente do bem e do mal, quer sejam cegos ou não, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Acho muita ingenuidade, ou muita exacerbação do "politicamente correto", essa atitude de alguns cegos norte-americanos contra o filme. Cada uma!!
O filme é uma metáfora sensacional maravilhosa. Outro dia vi um documentário sobre o making off do filme, e via a reação emocionada do Saramago quando as luzes da sala se acenderam. Foi maravilhoso para ele ver seu filme retratado na tela com tanta poesia. A violência nunca é gratuita e é mostrada de forma quase sutil. A fotografia é esplendorosa, a trilha sonora casa direitinho com as imagens e com a história. O filme é chocantemente surpreendente, foi produzido de forma altamente profissional e àbsolutamente não merece esse tipo de recepção em território norte-americano.
Conclusão: ainda que eu acredite que seja importante conservar essa visão crítica da realidade, vamos com calma, né pessoal? Uma coisa é uma coisa e outtra coisa é outra coisa. O filme é maravilhoso e respeita os cegos. E ainda tem final feliz, o que pra mim é fundamental. P/ que a gente saia do cinema sob o impacto dele, mas com esperança de que tudo pode acabar bem.
E só mais uma coisinha: num desses livros de auto-ajuda ou de neurolinguística, aprendi uma coisa bacana. Se a gente quer reforçar o lado positivo das coisas, lutar contra o lado negativo não vai ajudar, ao contrário, apenas vai reforçar aquilo que queremos combater. Melhor reforçar o lado positivo, para que o negativo se anule. Será que fui clara?? Acho que não... Mas o tempo esgotou, outro dia explico melhor.

8 comentários:

  1. Oi Silvia, de volta de sua viagem chique? Fiquei curiosa para ver o filme, eu amoooo questionar tudo.

    Isso q vc falou tenho tentado fazer em forma de reforço positivo na educação infantil: "fale baixo" em vez de "não grite". A idéia é não ficar falando no que se quer evitar, para focar no que se quer realmente.

    bjs Andréa V.

    ResponderExcluir
  2. Mas consciência crítica não é sair criticando tudo... é colocar as coisas em perspectiva, "simplesmente" (como se fosse simples). Aliás, a PUC decaiu muito, quando eu fiz jornalismo lá, as aulas de teologia e filosofia eram qualquer coisa de ridículo...

    Que viagem chique foi essa?

    ResponderExcluir
  3. Negativismo está em todo lugar, então é melhor mesmo reforçar nossas energias positivas..., sempre!

    Bom fim de semana

    bj

    ResponderExcluir
  4. contorcionista10:11 AM

    O tempo anda curto, pra quê se preocupar com o negativo?
    bjs!

    ResponderExcluir
  5. Sempre fui do contra... quando adolescente eu era a chata que questionava tudo. Continuo meio assim... na verdade nao recebo as coisas de graça, seja l´ao que for eu quero saber direitinho, enntende?

    Não vi o filme, nem sei do que se trata. Descilpe, sobre isso nao posso opinar.

    ResponderExcluir
  6. Oi Sílvia,

    Não vi o filme... Li o livro há uns 9 anos e tive uma experiência imaginativa única. Quero guardá-la. Ver o filme acabaria a graça para mim, mas sei que certamente se trata de um filme muito bom. É que eu não curto ver filmes de livros que eu li...

    Quanto ao protesto dos cegos, concordo: é sem sentido, exagerado e fora de foco. Coisa de um "politicamente correto" bobão.

    Beijo,

    Lelec

    ResponderExcluir
  7. Anônimo1:38 PM

    Quantos psicólogos desvairados vocês já conheceram? hihihihi

    ResponderExcluir
  8. Ops! Silvia, ainda bem que não se formou em Psicologia. Não que seja desvairada. Mas muitos são e tanta gente acaba norteando suas vidas pelo que "acha" seu teraputa.... Ai, meus sais, que perigo!
    Quanto ao filme, se bater "bate", emociona e pronto. E queimem o Saramago! Apóio a Causa dos Cegos. (que não olhem pra mim, nem vejam minha ironia diante dessa pataquada)- bjokas - maltrapilho fashion

    ResponderExcluir

Sua opinião é muito importante para nós.